O que eram Wargs em O Senhor dos Anéis?

Um pacote de Wargs em O Hobbit: Uma Jornada Inesperada

Wargs, os monstros caninos que os Orcs montavam para a batalha, eram algumas das criaturas mais memoráveis ​​da Terra Média. Eles apareceram com destaque em quase todas as adaptações da obra de JRR Tolkien, incluindo as trilogias de filmes O Senhor dos Anéis e O Hobbit, bem como O Senhor dos Anéis: Os Anéis de Poder. No entanto, tais adaptações raramente ofereciam explicações claras sobre o que exatamente eram Wargs ou de onde vieram.

A razão para esse mistério foi que o próprio Tolkien deu poucos detalhes sobre os Wargs. Eles estrearam em O Hobbit, no qual foram simplesmente descritos como lobos malvados, e seu papel em O Senhor dos Anéis foi muito menor do que nas adaptações de Peter Jackson. No entanto, Tolkien espalhou pistas enigmáticas suficientes em seu Legendarium para que os fãs reunissem a verdadeira natureza e história do Warg.

Wargs eram mais do que feras comuns

Um Warg rosnando para Gimli em O Senhor dos Anéis: As Duas Torres

Ao contrário de suas representações habituais no cinema e na televisão, os Wargs nos romances de Tolkien eram animais altamente inteligentes. No capítulo “Da frigideira para o fogo” de O Hobbit, Bilbo e seus amigos testemunham uma reunião de Wargs enquanto se escondem nas copas de algumas árvores próximas. Esta cena revelou não apenas que Wargs tinha uma “linguagem terrível” própria, mas também que possuíam os recursos mentais para organizar reuniões com seus aliados goblins.

Embora os Orcs usassem Wargs como montarias, isso não acontecia porque os Orcs os domesticaram ou possuíram. Wargs escolheu ajudar as forças de Sauron por vontade própria. Os Wargs também tinham uma hierarquia que mais se assemelhava à organização sofisticada de um exército do que à hierarquia de feras; em A Sociedade do Anel, Tolkien referiu-se ao líder dos Wargs como um “chefe” em vez de um termo mais animalesco.

Em “The Clouds Burst”, um capítulo posterior de O Hobbit, Wargs compreendia um exército inteiro separado de seus cavaleiros: “Foi chamada de Batalha dos Cinco Exércitos e foi muito terrível. De um lado estavam os Goblins e os Lobos Selvagens”. , e do outro estavam Elfos, Homens e Anões.”

Embora Tolkien frequentemente usasse os termos “Warg” e “lobo” de forma intercambiável, eles eram criaturas separadas, como evidenciado por Gandalf listando ambos ao descrever os exércitos que se aproximavam. Tolkien afirmou repetidamente que Wargs eram maus, uma descrição que ele não usou levianamente.

O Hobbit nunca se referiu aos animais selvagens – mesmo aqueles tão aterrorizantes como as aranhas gigantes da Floresta das Trevas – como maus. O julgamento moral que Tolkien lançou sobre Wargs falava de algo antinatural sobre sua existência, assim como Orcs e Nazgûl. Tolkien também indicou que Wargs possuía habilidades sobrenaturais.

Quando a Sociedade acordou na manhã seguinte a uma batalha com um bando de Wargs em O Senhor dos Anéis, os corpos das feras mortas haviam desaparecido sem deixar vestígios, como se fossem fantasmas. Tolkien derivou o nome “Warg” da palavra nórdica antiga vargr, que se referia a lobos monstruosos como o filho de Loki, Fenrir. O nórdico antigo também tinha um termo para lobos normais, ulfr, então a escolha de Tolkien de basear Wargs em vargr os imbuiu de conotações mitológicas.

Wargs tiveram origens misteriosas

Bilbo não conseguia entender a língua dos Wargs, mas Gandalf sim. Em O Hobbit, Beorn afirmou que Wargs eram mais rápidos que pôneis. Grond, o aríete em forma de lobo de As Duas Torres de Jackson, referiu-se à afinidade de Sauron com os lobos.

Então, se Wargs não eram lobos, o que eram? O Silmarillion de Tolkien, que explicava as origens da maioria das coisas na Terra-média, nunca mencionou explicitamente Wargs, mas continha evidências cruciais sobre sua possível história. Durante a Primeira Era da Terra Média, muito antes dos eventos de O Senhor dos Anéis, Sauron criou lobisomens para cumprir suas ordens malignas.

Assim como Gandalf fez uma distinção entre Wargs e lobos em O Hobbit, ele fez uma distinção entre Wargs e lobisomens em O Senhor dos Anéis. No entanto, pistas apontavam para Wargs sendo descendentes de lobisomens que acasalaram com lobos normais ou outras criaturas semelhantes a lobos. Houve um precedente para isso nos escritos de Tolkien; Ungoliant, um espírito maligno que assumiu a forma de uma aranha gigante, acasalou-se com as aranhas nativas de Mordor, gerando assim sua filha, Laracna.

Ao contrário da maioria dos lobisomens da cultura pop, os de Tolkien não eram humanos que mudavam de forma; em vez disso, eles eram espíritos malignos – possivelmente Maiar como o próprio Sauron – presos dentro de corpos de lobos. Então, se Wargs realmente fossem descendentes de lobisomens, seria lógico que eles herdassem algumas das características de seus ancestrais espirituais.

Isso explicaria sua inteligência incomum em O Hobbit e seus cadáveres desaparecidos em O Senhor dos Anéis. Mesmo que Wargs não fossem lobisomens, eles poderiam ser espíritos assumindo a forma de lobo. Maiar escolheu sua aparência, e é por isso que Gandalf e Saruman pareciam homens, enquanto o Balrog era um demônio gigante e ardente.

Sauron até se tornou um lobo em O Silmarillion para lutar contra um cão de caça, embora esta tenha sido uma transformação temporária. Embora pessoas como Sauron e Saruman nunca se dignassem a servir como corcéis para Orcs, havia muitos Maiar não nomeados na obra de Tolkien, e nem todos eles possuíam o mesmo nível de poder.

As adaptações do Senhor dos Anéis tornaram Wargs selvagem

Um Orc montando um Warg em O Senhor dos Anéis: As Duas Torres

    Na trilogia O Hobbit de Jackson, os Wargs eram liderados por uma matriarca, como as hienas. Dungeons and Dragons’ Worgs, como aqueles em Baldur’s Gate 3, foram baseados em Wargs. O videogame Terra-média: Sombra de Mordor introduziu equivalentes felinos aos Wargs, chamados Caragors.

As adaptações de O Hobbit e O Senhor dos Anéis tendem a retratar Wargs de uma maneira mais bestial. Nos filmes de Jackson, por exemplo, Wargs não falava, nem seus corpos desapareciam após a morte. As forças de Sauron criaram, criaram e possuíam os Wargs, e nunca houve qualquer indicação de que eles ajudaram os Orcs por sua própria vontade.

Eles eram simplesmente animais treinados para a guerra, muito parecidos com os Olifantes que os Haradrim usaram para sitiar Minas Tirith. Nos romances de Tolkien, os Wargs pareciam semelhantes, senão idênticos, aos lobos, mas suas contrapartes cinematográficas se inspiraram mais no reino animal. A primeira ação ao vivo – ou melhor, CGI realista – Wargs apareceu em O Senhor dos Anéis: As Duas Torres, de Peter Jackson.

Ele havia excluído Wargs de O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel, então compensou criando uma nova cena em que um bando de Orcs montados em Warg atacou os Rohirrim durante sua jornada ao Abismo de Helm. Pareciam hienas com pelo castanho-amarelado e crinas de cabelos mais longos descendo pelas costas. As imagens de necrófagos como hienas associavam Wargs à morte.

A trilogia prequela de Jackson, O Hobbit, apresentava Wargs que eram muito mais próximos dos lobos, pois tinham focinhos mais longos, orelhas maiores e sem crinas. Isso implicava que as forças de Sauron criaram e modificaram Wargs lupinos para criar os monstros vistos em O Senhor dos Anéis.

A geografia também desempenhou um papel na discrepância visual entre os Wargs de Jackson, já que os de O Hobbit vieram do Monte Gundabad, enquanto os de O Senhor dos Anéis vieram de Isengard. The Rings of Power estreou uma visão diferente do Warg no episódio “Adar”. Este Warg tinha um corpo esguio, olhos bulbosos e partes de pele sem pelos.

Combinado com o fato de sempre usar uma corrente no pescoço, isso dava a impressão de que o Warg era um animal de estimação domesticado e não um animal selvagem. Como Tolkien deixou suas descrições de Wargs tão vagas, ele proporcionou uma oportunidade para os artistas modernos usarem licença criativa e deixarem suas marcas únicas na Terra-média.

Confira também: Zack Snyder conta quais cenas de O Homem de Aço sempre o deixam emocionado

Não deixe de acompanhar todas as notícias diárias sobre filmes, séries e games do Jornada Geek. Aproveite também para curtir a nossa página no facebook, além de nos seguir no twitter, instagram e também no Google News.

Criado e liderado por Marco Victor Barbosa, jornalista formado pela UniAcademia (antigo CES/JF), o site Jornada Geek foi fundado em 2012 sob o nome de Cinefagia. Em 2016 seu nome foi alterado, e ao longo de todos estes anos foi atualizado constantemente com notícias e textos sobre filmes, séries e games.