Máfia da Dor: Conheça a história real por trás do novo filme da Netflix

Imagem do filme Máfia da Dor
Divulgação

Máfia da dor, novo filme da Netflix estrelado por Emily Blunt e Chris Evans acabou de estrear, e com isso já está dando o que falar entre os assinantes da plataforma.

O Longa acompanha Liza Drake, uma mãe solo que depois de perder o emprego está em seu limite. Após um encontro casual com o representante de vendas eticamente duvidoso Pete Brenner (Chris Evans), ela recebe uma proposta tentadora. Liza decide começar a trabalhar em uma startup farmacêutica, todavia, o que parece ser uma trajetória ascendente economicamente, se mostra um perigoso esquema de extorsão.

A mãe solo acaba se envolvendo no esquema criminoso, e precisará lidar com um chefe cada vez mais desequilibrado (Andy Garcia), o agravamento da condição médica da sua filha (Chloe Coleman) e a consciência crescente da devastação que a empresa está causando ao seu redor – o que força Liza a examinar as suas escolhas. Máfia da Dor expõe o que algumas pessoas são capazes de fazer por desespero (e outras por ganância).

Talvez você não saiba, mas Máfia da dor, escrito pelo autor de ‘Everything Ravaged, Everything Burned’ Wells Tower e dirigido por David Yates, conhecido principalmente por seus trabalhos em Harry Potter, é inspirado em uma história real.

Conheça a história real por trás do novo filme da Netflix, Máfia da Dor:

Embora a nossa protagonista seja um personagem fictício, a história é fortemente baseada em eventos da vida real, relatados pela primeira vez pelo jornalista do New York Times Evan Hughes em 2018 e mais tarde transformado em um livro, chamado The Hard Sell: Crime and Punishment em uma startup de opioides.

Em um artigo intitulado “The Pain Hustlers”, Hughes descobriu a história corrupta da Insys Therapeutics, uma empresa farmacêutica que empregou táticas de extorsão com medicamentos prescritos. O produto principal? Um analgésico opioide altamente potente chamado Subsys, uma versão prescrita do fentanil.

A Insys basicamente pagava médicos para prescrever o altamente viciante Subsys aos seus pacientes e, embora fosse um medicamento mais adequado para pacientes com câncer que lidavam com “dor irruptiva” ou que eram terminais, era mais livremente prescrito para qualquer pessoa que sentisse qualquer tipo de dor.

Os representantes de vendas que comercializavam o medicamento na Insys também foram recompensados ​​com enormes ganhos inesperados. Statnews relatou que “um representante de vendas no Alabama recebeu um salário base de US$ 40.000, mas recebeu mais de US$ 700.000 em comissões de 2013 a 2015 com base no volume de prescrições off-label escritas por médicos que ela consultou, de acordo com registros judiciais”.

Via: Esquire

Confira também: 10 séries e novas temporadas que foram lançadas em outubro para você assistir agora

Não deixe de acompanhar todas as notícias diárias sobre filmes, séries e games no Jornada Geek. Aproveite para curtir a nossa página no facebook, além de nos seguir no twitterinstagram e também no Google News.

Sou brasileira, carioca da Gema, Bióloga, professora, Nerd, Traveller e geminiana. 39 anos com carinha de 25. Movida a filmes, séries e livros (falo sobre isso também nas minhas redes sociais @geekthingsblog). Tenho mais fases do que a própria lua, mas uma coisa que todos precisam saber sobre mim é que eu sempre realizo meus sonhos, por mais que isso demore um tempinho!